Os 5 C’s para escrever um bom thriller – Complex Characterizations

15 de Maio de 2014
in Category: Dicas, Escrita
0 1262 0

Os 5 C’s para escrever um bom thriller – Complex Characterizations

»» versão do artigo “The 5 C’s of Writing a Great Thriller Novel”, escrito por James Scott Bell, publicado em 06/05/2014 no Writer’s Digest ««

Lembra quando Tommy Lee Jones está segurando umas algemas vazias no filme O fugitivo e diz: “Sabe, sempre ficamos fascinados quando encontramos algemas vazias” ? Isso me faz pensar em leitores que pegam um thriller e não encontram qualquer emoção nele. Ou ao menos não tanto quanto poderia ter.

Não estou apenas falando da trama. É possível que existam armas e bombas e atiradores e terroristas e helicópteros e mesmo assim não ser uma novela que “pegue” o leitor.

Para ter um thriller saudável e totalmente funcional, tente um pouco de vitamina C literária. Aplique no seu livro doses destes cinco C’s e ele se tornará forte, valoroso, pronto a dar ao leitor aquilo pelo que ele pagou.

escrever um bom thriller

1. Personagens complexos (Complex Characterizations)

O primeiro item a ser fortalecido num thriller é seu elenco de personagens. Um erro crítico feito aqui pode enfraquecer até a melhor história.

Seu protagonista é totalmente bom? Isso é chato. Em vez disso, o herói precisa lidar com questões tanto internas quanto externas. Deve ter tantas falhas quanto virtudes. Estes conflitos incômodos deixam em aberto sua sobrevivência.

Quando conhecemos a detetive Carol Starkey em Demolition Angel, de Robert Crais, ela está jogando a cinza do seu cigarro no chão do consultório de um terapeuta, irritada pois se passaram três anos e seus demônios ainda estão vivos e bem. Ótima introdução, principalmente para alguém que está no esquadrão anti-bombas. Sabemos que ela tem pavio curto. E queremos ver se ele apaga.

Pense numa lista de pelo menos dez demônios internos com que seu herói tem de lutar. Dez. Seja criativo. Então escolha o melhor deles. Trabalhe com ele no passado do seu herói, e mostre como isso o afeta no presente, e até como poderia obstruir seu futuro. Dê-lhe ações que demonstrem a falha.

Passe para o restante do seu “elenco”. Evite a armadilha do personagem-padrão, que pode ser potencialmente perigoso neste gênero – isto é, o agente do FBI frio e engomadinho; o policial com problema de embriaguez. Eis um bom hábito: rejeite a primeira imagem que lhe vem à mente ao criar um personagem. Cogite várias possibilidades, sempre procurando uma nova abordagem.

Então dê a cada personagem um motivo de conflito em potencial com seu herói e com algum outro personagem, especialmente aqueles que têm aliados. Procure maneiras para amigos tornarem-se inimigos ou traidores. Na falta disso, crie mais conflitos.

Para ajudar você a adicionar complexidade, crie uma tabela de personagens assim:

Mary Steve Cody Brenda Julio
 Mary   x
 Steve   x
 Cody   x
 Brenda   x
 Julio   x

Agora preencha as células em branco com possíveis relacionamentos, segredos e áreas de conflito. Por exemplo:

Mary Steve Cody Brenda Julio
 Mary   x Odeia-o por ter abusado de sua irmã
 Steve Sabe que ela tem um filho com Julio   x
 Cody   x
 Brenda   x
 Julio   x

Se possíveis conexões te escapam, tente fazer o exercício abaixo com cada um de seus personagens principais:
A polícia vai à casa do personagem com um mandado de busca. No seu armário, há lgo que ele não quer que ninguém encontre, nunca.
O que é?
O que isso revela sobre a vida pessoal do personagem?
Use os segredos e paixões que você descobrir para adicionar mais um ponto de conflito com outro personagem.

Thrillers fora de série precisam de complexidade e redes de conflitos, de modo que cada página pulse de tensão.

escrever um bom thriller

OBS.: O texto com todas as dicas é bastante extenso, então publicaremos uma a uma.

Aguardem a próxima!

Send to Kindle
, , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *