Como desbloquear todos os cinco sentidos em sua escrita

26 de março de 2015
in Category: Dicas, Escrita
3 2571 0
Como desbloquear todos os cinco sentidos em sua escrita

Como desbloquear todos os cinco sentidos em sua escrita

»» versão do artigo “How to Unlock All Five Senses in Your Writing”, escrito por Kellie McGann, publicado em 19/03/2015 no The Write Practice ««

Como escritores, somos especialmente conscientes dos nossos cinco sentidos. Usamos os cinco sentidos para transportar nosso leitor para dentro da cena enquanto a descrevemos. No entanto, tenho a impressão de que não estamos utilizando todo o potencial dos cinco sentidos. Veja, os cinco sentidos têm o poder de conectar o leitor de um jeito intenso, ao menos mais intenso do que se tem acreditado.

5sentidos

(fonte: espaciokinder.blogspot.com)

Escreva com a visão

Quando eu estava escrevendo o primeiro rascunho do meu livro, me reunia regularmente com um grupo de escritores (o que é essencial), e um dos feedbacks que eu mais recebia era “show, don’t tell” (“mostre, não conte”).

Não conte simplesmente ao seu leitor como você se sente ou o que está acontecendo, me dizia o grupo.

Comecei a experimentar e logo descobri que havia muito mais a escrever com a visão do que árvores verdes e céus azuis.

Aqui está um exercício: pergunte a si mesmo “O que estou vendo?” e, como você vai começar com um mero carro branco passando, eu te desafio a ver além. Além do homem com os braços repletos de tatuagens, observe o jeito de ele andar. Ele olha para o chão enquanto anda ou olha para frente confiantemente?

Quando você vir o óbvio, vá mais fundo.

Então, o que você vê na verdade? O que você não vê? O que isso significa?

Escreva com o paladar

Descrever o paladar pode ser uma maneira divertida de manter seu leitor interessado nos detalhes. Frequentemente negligenciamos ou simplesmente nos esquecemos de descrever qual sabor de alguma coisa ou o que esse sabor significa.

Pode ser terrível, mas meu jeito predileto de descrever o gosto é usando metáforas. Meu humorista favorito, Tim Hawkins, compara o gosto e o sabor de um donut Krispy Kreme com “estar comendo um anjinho”. O quanto isso é verdadeiro?

Minha colega de quarto descreve sua sopa de tomates como “acabando de chegar de uma nevasca, chutando suas botas e sentando em frente à lareira.”

As metáforas que utilizamos têm o poder de transportar nossos leitores a lugares que evocam memórias e emoções de suas próprias vidas, permitindo que uma conexão profunda se estabeleça.

gato

(foto: www.ospaparazzi.com.br)

Escreva com o olfato

Geralmente, classificamos cheiros em duas categorias: bom ou ruim, mas acho que até mesmo cheiros podem ajudar a contar histórias.

Quando começar a descrever uma cena, feche os olhos e “visualize” todos os possíveis cheiros que estejam à sua volta. Odorores não apenas descrevem cheiro de comida e de corpos, eles também podem ser usados para descrever o clima, um cômodo ou uma situação.

De que forma você acha que a frase “this smells fishy” foi cunhada? (N.T.: a tradução livre seria “isso não me cheira bem”). É quase uma personificação. Experimente.

Escreva com a audição

O jeito mais popular de descrever sons é fazendo uso de onomatopeias. E elas são divertidas, principalmente quando as inventamos.

Além das onomatopeias, nunca pensei que houvesse outra forma de descrever sons de verdade, até que comecei realmente a ouvir.

Há ruídos à sua volta. Você já desvendou o que os sons realmente estão contando?

Enquanto escrevia minhas memórias, constantemente me perguntava o que eu estava ouvindo internamente. Sons não são sempre rumores externos e estalos, algumas vezes vêm na forma de pensamentos e vozes. Alguns são verdades, outros são mentiras.

Alguns sons dizem ao leitor onde você está ou o que está fazendo sem, de fato, ter de descrever.

Escreva com o tato

Descrever a sensação tátil das coisas é muito divertido. A quantidade de adjetivos disponíveis é infinita.

Minhas duas formas prediletas de descrever tato são através da temperatura e da textura.
“Seus dedos deslizaram na água fresca e suave.”

Quando estiver escrevendo sobre o tato, é importante descrever a parte física, mas ainda mais importante é a parte não visível. Os diferentes aspectos que são “tocados”, mas não com suas mãos.

Como você já deve ter percebido, a chave para destravar os cinco sentidos é a questão por detrás. O questionamento sobre o motivo de você estar vendo, ouvindo, provando, cheirando ou sentindo algo.

Uma vez que você tenha definido o sentido, faça a pergunta “O que isso significa?”.

café cheiroso

(foto: as-cosy-as-can-be.tumblr.com)

Send to Kindle
, , , , , , , , ,

3 comments on “Como desbloquear todos os cinco sentidos em sua escrita”

  1. Luana Novais disse:

    Achei interessantíssimo esse olhar especial que você destacou a respeito do mundo dos sentidos! Faz muita diferença! Adorei o post! Inspirador! Grande abraço,

    Luana

    1. Cristine disse:

      Olá Luana,
      Obrigada pela visita. Que bom que curtiu 🙂

      Abraços e boas leituras!

  2. Lucas Eliel disse:

    Muito obrigado, adorei o artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *