Crônica de uma morte anunciada

1 de setembro de 2010
in Category: Resenhas
0 1383 0
Crônica de uma morte anunciada

Crônica de uma morte anunciada

Crônica de uma morte anunciada
Gabriel García Márquez

De Márquez, deveria ter lido Cem anos de solidão e Amor nos tempos do cólera. Shame on me! O único atenuante é que estão sim na minha lista de leitura, aquela que a maioria dos leitores compulsivos tem, com todos os livros que pretendemos ler até o fim da vida.

cronica de uma morte anunciada

O livro conta, em formato próximo do jornalístico, o último dia de vida de Santiago Nasar, cuja morte é comunicada ao leitor logo nas primeiras linhas. Santiago é jurado de morte pelos irmãos Vicário, por ter supostamente desonrado Angela Vicário, a irmã. Sabe-se desde o início o desenlace da estória, e o personagem encaminha-se para o desfecho trágico sem qualquer defesa. Toda a aldeia tem conhecimento da vingança iminente, mas ninguém toma qualquer atitute para proteger Santiago ou impedir os algozes.

Tal qual uma reportagem, a estória é contada sob diferentes pontos de vista. O narrador, não onisciente, obtém as informações de acordo com a versão de cada uma das testemunhas. Os detalhes vão se encaixando aos poucos como peças de um quebra-cabeças, e o leitor vai descobrindo a sequência dos eventos junto com o narrador, à medida que ele colhe o relatos dos habitantes. Sabe-se pouco sobre Santiago, o que ele pensa, o que ele sabe ou deixa de perceber sobre o que o espera. E, como qualquer repórter deve saber, há versões distintas sobre os mesmos acontecimentos. Cada pessoa relata o que lembra, e a lembrança é sempre influenciada pela sua capacidade de observação, pelas suas experiências, pelo seu relacionamento com a(s) pessoa(s) envolvida(s), pelo seu estado de espírito no momento do ocorrido. A sobreposição dessas lembranças é que permite reconstruir o dia da morte de Santiago, e também conhecer um pouco da estória de cada um dos entrevistados.

Apesar de já sabermos o desfecho, pois não há suspense sobre o destino de Santiago, Márquez conduz o leitor com maestria pelos meandros da narrativa. O tempo avança e retrocede de acordo com as descobertas do narrador cronista. E, ao mesmo tempo que vai desvendando o ocorrido, preenche a narrativa com os costumes e tradições da pequena vila, num cenário típico do interior de um país qualquer da América do Sul, tornando a estória totalmente verossímil.

Achei dia desses, um gráfico, ao estilo daqueles de Lost, com o grau de relacionamento entre os personagens e suas ações. (clique nele para ampliar)

mapa de personagens

Vale um Capuccino
4 out of 5 stars

amazonCompre aqui.
Send to Kindle
, , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *