O vilarejo, de Raphael Montes

25 de outubro de 2015
in Category: Resenhas
2 990 0
O vilarejo, de Raphael Montes

O vilarejo, de Raphael Montes

O vilarejo
Raphael Montes

Depois de seus dois thrillers, Suicidas – que eu curti bastante, mesmo com as falhas naturais de um autor iniciante (resenha aqui) – e de Dias perfeitos – cujo final eu achei detestável (nem fiz a resenha ainda) – Montes apresenta ao leitor uma coletânea de contos de terror numa estrutura fix-up. A denominação é gringa mas quer dizer simplesmente que os contos são independentes entre si, mas interligados por um ou mais elementos, podendo ser lidos na ordem que o leitor preferir – já comentei sobre essa estrutura na resenha de Neon azul, de Eric Novello. Realmente, podem ser lidos em qualquer ordem, mas em O vilarejo, o mais indicado é deixar o último por último mesmo.

o-Vilarejo-capa

São sete histórias curtas, cada uma delas enfocando um dos moradores do vilarejo e tratando de um dos sete pecados capitais. Montes faz uso de um recurso narrativo já manjad, mas sempre interessante, afirmando que traduziu manuscritos em que constava referência a um teólogo alemão – Peter Binsfeld – que realmente existiu e escreveu sobre a classificação dos pecados, relacionando-os a demônios.

“De acordo com seu trabalho, cada um dos demônios, os Sete Reis do Inferno, era responsável por invocar um pecado capital nos seres humanos: Asmodeus (luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba).”
(pag.8)

Obviamente é uma honra ter seu nome citado junto ao de Stephen King na mesma frase (veja a foto da capa), porém, sem querer desmerecer o autor, exceto pelo fato de partilharem do mesmo gênero, o terror, a comparação com King é um tanto quanto exagerada. Seja pela produção de Montes, parca em relação à de King, seja pelo estilo. Enquanto King é bastante descritivo, quase prolixo, Fontes é bem mais econômico nas palavras, tem um texto mais seco e, portanto, mais dinâmico, sem delongas.

Os demônios nomeiam os capítulos, que tratam do pecado a eles relacionado. É interessante perceber como as histórias se entrelaçam, como o caminho dos personagens se entrecorta. Sob esse ponto de vista, as narrativas estão bem estruturadas. Contudo, em relação à construção de cada conto há algumas lacunas que poderiam ter sido melhor “preenchidas”, isto é, trabalhadas. Em três deles, o desfecho pode ser apreendido bem antes de revelado pelo autor – algo que, num texto tão curto, chega a ser brochante. Mas no geral, os textos se completam bem e algumas passagens são bastante chocantes, para não dizer indigestas.

o-vilarejo-ilustracoes

Vale destacar o projeto gráfico. As gravuras de Marcelo Damm que ilustram cada conto são impressionantes e complementam o clima sombrio das histórias. É um livro que possivelmente agrada mesmo aos leitores não habituados ao gênero.

Vale um Macchiato
3 out of 5 stars

» Compre aqui.
 

Send to Kindle
, , , , , , ,

2 comments on “O vilarejo, de Raphael Montes”

  1. A estória me parece ser muito boa, mas apenas para quem curte terror, o que não é o meu caso, apesar de você ter dito que até quem não é acostumado pode gostar…
    P.S.: Você escreve muito bem! 😉

    http://somaisumapaginamae.blogspot.com.br/

    1. Cristine disse:

      Olá Maria Luiza,

      Vale a pena dar uma chance a essa leitura. O Raphael Montes trabalha muito bem as palavras.
      Obrigada pela visita e pelo elogio 🙂

      abraços e boas leituras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *